É possível NFTs ecologicamente corretos?

3 Curtidas Comentar
É possível NFTs ecologicamente corretos?

É possível que os NFTs sejam ecologicamente corretos. Embora os NFTs existam desde 2014, você pode ter ouvido falar deles apenas no ano passado. As NFTs foram cada vez mais populares nos últimos anos e tiveram um desenvolvimento forte. Talvez você esteja familiarizado com:

  • Beeple: Artistas estão vendendo seus trabalhos digitais em leilões da Christie’s, como o Beeple’s First 5000 Days, que foi vendido por US$ 69 milhões.
  • GameFi: Outros jogos da NFT incluem Axie Infinity, o primeiro jogo inovador de blockchain play-to-earn e muito mais.
  • Bored Apes: A popularidade do Bored Ape Yacht Club (BAYC), especialmente entre celebridades como Stephen Curry, Shaquille O’Neal e Eminem.
  • Metaverse: As empresas estão comprando terrenos em mundos virtuais, como Sandbox, Decentraland e Engine, devido ao crescente valor dos imóveis digitais.

As NFTs dominaram as manchetes ao longo do ano, e essa tendência deve continuar em 2022. No entanto, a atenção do público é atraída para uma grande questão: o debate climático. Enquanto a infraestrutura da Web 3.0 cresce, investidores e entusiastas de criptomoedas estão preocupados com o impacto ambiental dos NFTs. Como a compra e venda de NFTs afeta o meio ambiente? Qual é o problema? Por que os NFTs são tão intensivos em carbono? Existe uma maneira de ficar mais verde? Como os NFTs se veem no futuro? Cada um é respondido neste artigo. Vamos começar essa festa?

Qual o impacto dos NFTs no meio ambiente?

Quando um artista publica no Twitter que vai começar a fazer NFTs, a área de comentários rapidamente se enche de comentários desagradáveis. Essas declarações culpam um artista por causar danos ambientais em nome do lucro. Mas o que a ciência tem a dizer sobre isso? Que papel desempenha um NFT no aquecimento global?

Devido às etapas necessárias no processo, é difícil calcular a pegada de carbono da cunhagem de um NFT. No entanto, estimativas foram feitas em algumas pesquisas sobre o assunto.

Uma transação Ethereum produz 33,4 quilos de CO2, de acordo com a Digiconomist. Uma transação típica de NFT, por outro lado, tem um impacto de carbono de 48 kg CO2 de acordo com o Memo Akten. Quando as obras de arte criptográficas são comparadas às impressões de arte comuns, é evidente que há uma diferença substancial. Para colocar as coisas em contexto, uma transação Ethereum equivale a 74.000 transações Visa. A rede Ethereum consome 99,6 Terawatts-hora de energia anualmente, de acordo com a Digiconomist. Este valor é superior aos requisitos das Filipinas ou da Bélgica.

O que há nos NFTs que os torna tão prejudiciais ao meio ambiente?

 

Precisamos saber de onde vêm as emissões de carbono dos NFTs para determinar se alternativas ecologicamente aceitáveis são possíveis ou não.

Os NFTs são comprados e negociados em mercados que empregam a criptomoeda Ethereum, como OpenSea, Foundation e SuperRare. A prova de trabalho é a base do Ethereum, bem como de outras criptomoedas importantes, como o Bitcoin.

O sistema exige que os usuários resolvam problemas difíceis com dispositivos de uso intensivo de energia para validar transações e fabricar novos tokens de criptografia. Mineração é o termo para este procedimento. Basicamente, adiciona um novo “bloco” de transações validadas ao blockchain, que é um livro-razão descentralizado. Como recompensa, o minerador recebe outro token. Como resultado dessa mineração, Ethereum, Bitcoin e outras blockchains que usam um processo de consenso de prova de trabalho usam uma quantidade significativa de energia.

Com mais indivíduos se interessando por NFTs no último ano ou dois, a compra e venda de NFTs também aumentou, resultando em maiores implicações ambientais. As mineradoras estão escolhendo energia mais barata, como combustíveis fósseis, para aumentar seus ganhos, o que pode prejudicar ainda mais o meio ambiente.

O que acontecerá com esses computadores especializados quando se tornarem inúteis em alguns anos? Eles são descartados, somando-se à pilha de lixo eletrônico.

É possível criar NFTs ecologicamente benéficos?

Isso quer dizer que os NFTs são terríveis para o meio ambiente?

Não, esse não é o caso. NFTs podem se tornar mais verdes no futuro, de acordo com especialistas como Susanne Köhler, PhD e pesquisadora de tecnologia blockchain sustentável na Universidade de Aalborg, na Dinamarca.

1ª Dica para tornar os NFT mais ecologicamente corretos:

Estamos cientes de que procedimentos de consenso, como prova de trabalho, consomem uma quantidade significativa de energia. Outras opções, como prova de participação, estão disponíveis. Essa é uma maneira mais ecológica de validar e proteger transações em um banco de dados distribuído.

Os validadores em proof-of-stake não precisam resolver um desafio computacional para validar transações; em vez disso, eles apostam uma certa quantidade de moedas. Eles prometem suas moedas como garantia em troca da oportunidade de validar blocos e garantir a segurança das transações. Quando uma transação for concluída, o sistema selecionará os validadores aleatoriamente com base em sua aposta e pagará as taxas de transação da rede. Essa abordagem usa muito menos poder de processamento e, como consequência, tem uma pegada de carbono reduzida.

A Ethereum planeja há muito tempo mudar para um mecanismo de prova de participação. Quando eles gostariam de fazer isso? O ano é 2022. Este será um divisor de águas, particularmente para os aficionados de criptografia preocupados com as implicações ambientais da utilização do Ethereum em sua atual configuração de prova de trabalho.

A mudança para a prova de participação, de acordo com Tim Beiko, coordenador dos desenvolvedores de protocolo da Ethereum, reduziria o efeito ambiental da Ethereum em 99%.

“Isso implicaria efetivamente que o uso de energia do Ethereum cairia para quase zero ao longo de um dia ou da noite para o dia”, explica Michel Rauchs, afiliado de pesquisa do Cambridge Center for Alternative Finance.

2ª Dica para tornar os NFT mais ecologicamente corretos:

A segunda opção para tornar os NFTs mais viáveis é diminuir a quantidade de transações necessárias no blockchain. “Isso pode ser feito construindo na ‘camada 2’, o que significa que nem todas as transações precisam ser registradas no blockchain”, explica Köhler. “Um leilão, por exemplo, pode ser realizado totalmente off-chain na camada 2 e depois publicado no blockchain em lotes. Esta é uma solução que pode ser implementada mais rapidamente.”

3ª Dica para tornar os NFT mais corretos:

Os lucros podem ser a fonte da próxima solução. Ajudaria a minimizar as emissões de carbono se os ganhos do NFT fossem doados para créditos de carbono ou contribuíssem para a pegada ecológica.

4ª Dica para tornar os NFT mais corretos:

Finalmente, a energia renovável é a resposta mais óbvia para o problema das emissões de carbono dos NFTs. As emissões seriam bastante reduzidas se mais máquinas de mineração funcionassem com energia sustentável.

Esta não é, no entanto, a resposta ideal. Especialistas em clima e críticos de blockchain acreditam que a energia renovável ainda é rara e valiosa e que, portanto, pode ser utilizada para usos mais urgentes, como aquecimento e iluminação.

Confira outros artigos:

 

Você Pode Gostar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.